Quer ter sua empresa, mas não sabe por onde começar? Veja dicas de empreendedores e especialistas para começar 2018 com o pé direito:

Matéria publicada por Mariana Fonseca na Revista Exame
 3 de janeiro de 2018

Seu sonho para o novo ano é ser dono do seu próprio negócio? Diante de estatísticas empregatícias ainda preocupantes e o desejo por uma renda extra, empreender se tornou o desejo de muitas pessoas em 2018.

Para quem faz parte desse grupo, os empreendedores e especialistas consultados pelo Site EXAME têm uma boa notícia: este ano será melhor economicamente do que o anterior.

“Tudo leva a crer que 2018 é um ano em que irá começar uma temporada de crescimento econômico, após anos de crise. A bolsa já começa a operar melhor, o que indica investimento por parte das empresas e estabilidade no mercado. Mas eventos como as eleições de outubro podem balançar um pouco esse cenário”, afirma Alexandre Diniz, empreendedor e diretor do grupo de franquias Acerte.

“Melhor do que 2016 ou 2017 com certeza será. A gente atende clientes de diversos setores, então conseguimos perceber o grau de motivação dos empresários, o que inclui planos de investimento em maquinário e expansão”, completa Eduardo Peres, da consultoria de estratégia e finanças corporativas GlobalTrevo. “Se você realmente conhecer seu setor, souber de técnicas de gestão e se planejar, suas chances podem ser melhores do que se você houvesse aberto o negócio antes.”

O otimismo calculado é reforçado por Ana Paula Tozzi, CEO da AGR Consultores. “Apesar de ser um ano de eleição, 2018 será bem recebido tanto pelos empresários quanto pelos consumidores. O último Natal foi o melhor dos últimos anos, por exemplo, o que mostra uma melhora de humor dos consumidores e sugere uma predisposição de sucesso em negócios de prioridade mais marginal, que até então estavam com dificuldades.”

Ficou com vontade de empreender, diante das boas expectativas? Para evitar más decisões e perdas desnecessárias de capital, é preciso antes entender os fundamentos da criação e gestão de uma pequena empresa. Adiantaremos um conselho fundamental, que você está praticando neste momento: pesquisa e preparação são a base para o sucesso.

Confira, a seguir, as cinco dicas de que você precisa saber para abrir seu próprio negócio em 2018:

1 — Empreenda naquilo que você já domina

Um grande erro dos empreendedores iniciantes é começar um negócio apenas com base em suas paixões de fim de semana, e não após um bom estudo de mercado: por exemplo, abrir o próprio restaurante apenas por gostar de cozinhar. “Empreenda naquilo que você conhece, e não necessariamente no seu hobby”, alerta Tozzi, da AGR Consultores.

“Abrir um negócio naquilo que você não conhece é não saber comprar, precificar, vender e até produzir. São muitos desafios, especialmente para quem nunca empreendeu”. Um restaurante, por exemplo, exige conhecimentos de locação, de equipamentos de cozinha, de mão de obra especializada, de giro de estoque perecível e de giro de mesa.

A dica de conhecer seu mercado – e as boas práticas das melhores empresas no ramo – também vale caso você decida ser franqueado, e não criar um negócio do zero.

“Busque empresas sólidas, com vivência em ciclos de alta e baixa atividade econômica. Isso mostrará que, chega crise e passa crise, o empreendimento continua existindo. Você aumenta suas chances de sucesso ao fazer uma boa análise de mercado e aliar-se a marcas corretas”, afirma Diniz, do Grupo Acerte.

2 — Prepare-se financeiramente – e muito

Além de conhecer sobre seu futuro setor de atuação, outro ponto fundamental para ter seu próprio negócio é preparar-se financeiramente para tal. Nessa hora, coloque todos os possíveis gastos na ponta do lápis.

“Planeje-se muito para a empreitada: pense em como você irá crescer e, a partir daí, calcule qual o investimento inicial necessário, quantas pessoas serão contratadas e qual o capital que deve ser separado para ativos fixos e para capital de giro, por exemplo”, alerta Peres, da GlobalTrevo.

O capital de giro, chamada também de capital circulante, é o calcanhar de Aquiles da maioria dos empreendimentos: a falta de dinheiro para segurar a barra entre prazos de receita e prazos de despesas é a maior causa alegada de mortalidade nas empresas brasileiras, segundo estudo do Sebrae.

“A primeira dica que a gente sempre dá é: cuidado com o capital de giro. Muitas operações acabam morrendo nos dois primeiros anos, mesmo que a ideia de negócio seja legal, por falta de dinheiro reservado. Afinal, quanto mais você vende, de mais capital de giro você precisará para esperar os pagamentos enquanto paga fornecedores”, diz Tozzi.

A CEO da AGR Consultores também aponta outro erro financeiro comum aos empreendedores: achar que o lucro chegará em pouco tempo. “Ganhar dinheiro como empreendedor não vem tão rápido. Você terá de reinvestir na empresa, inclusive separando mais capital de giro. Se você quer empreender, mas não tem reserva para sustentar sua família até o retorno chegar, é melhor arrumar um emprego e abrir um negócio só depois.”

3 — Escolha muito bem seu ponto comercial

Para negócios que dependem do contato imediato e pessoal, como lojas de varejo físico, escolher um bom ponto comercial é fundamental para o sucesso do empreendimento.

“Invista no melhor ponto, e não necessariamente no mais barato.  Quando você não tem uma grande marca, seu negócio não é ponto de destino: o fluxo de pessoas é essencial para que você consiga mais consumidores”, diz Tozzi, da AGR Consultores. Um movimento possivelmente interessante é apostar em uma rua conhecida pelo comércio de produtos similares ao seu, como uma só com vestidos de noiva ou só com eletrônicos, por exemplo.

4 — Fuja das modas e procure negócios recorrentes

Outro grande erro de principiante é apostar em negócios que estão na moda – como foram as paleterias há alguns anos, até a maioria de tais negócios quebrarem.

“Busque produtos com uma demanda recorrente, que continuarão existindo e sendo demandados independente da época do ano”, recomenda Diniz, do Grupo Acerte. “Alguns exemplos são os empreendimentos relacionados a serviços, que serão ainda mais pedidos com as terceirizações, ou produtos tradicionais aos brasileiros, como pizzarias.”

5 — Deixe a preguiça de lado

Por fim, uma dica fundamental: seu negócio não trabalhará por você. Como empreendedor, você trabalhará ainda mais do que quando era funcionário – e o retorno do investimento só chegará com muita dedicação.

“Não economize em horas de trabalho, já que nada substituirá seu próprio esforço e só assim sua empresa irá se desenvolver. Lembre-se: o início é sempre mais cansativo, desgastante e incerto”, alerta Peres, da GlobalTrevo.

Diniz, do Grupo Acerte, evoca um antigo ditado: “o olho do dono é que engorda o gado”. “Ninguém irá cuidar do negócio como o dono. É impossível deixar tudo na mão de um terceiro e achar que a empresa teria o mesmo resultado do que com sua própria gestão e empenho.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *