Empresas participantes do Sinapse da Inovação ES são selecionadas para evento na Suíça

Duas empresas capixabas, que nasceram durante a primeira edição do Sinapse da Inovação Espírito Santo, embarcaram para a Suíça no último sábado, dia 21 de abril. Ambas participaram do AIT Swiss Camp Abril 2018, evento realizado pela Swissnex Brazil, uma iniciativa da Secretaria do Estado da Suiça para Educação, Pesquisa e Inovação, atrelada ao Departamento de Relações Exteriores e o Consulado Geral da Suíça no Brasil.

Registro fotográfico dos participantes do AIT Swiss Camp Abril 2018,

O programa AIT

A Swissnex Brazil se define como “uma plataforma para o intercâmbio de conhecimentos e ideias relacionadas a ciência, educação, arte e inovação”. Por meio de eventos públicos e tours com profissionais, a plataforma facilita o desenvolvimento de networking entre convidados internacionais, startups, pesquisadores, acadêmicos, empreendedores e outros visitantes.

O evento AIT Swiss Camp Abril 2018 acontece em três cidades da Suíça, entre os dias 22 a 27 de abril, e conta com um tour em empresas locais, além de capacitações em temáticas relacionadas a desenvolvimento de negócios inovadores e happy hour, para interação com o ecossistema de inovação local.

Dois projetos classificados no programa Sinapse da Inovação foram selecionados pela Swissnex Brazil para se apresentarem no último dia do evento à uma banca de jurados, composta por especialistas na área de inovação, investidores e outros. As empresas selecionadas foram a Smile Alge, apresentado no Sinapse como “Fármacos com bioativos de alga da costa do Espírito Santo”, que será apresentado pela Denise Endringer, professora e pesquisadora da UVV, e o Sensor Óptico aplicado à Bioengenharia de Órgãos, apresentado pela Rayssa Helena Arruda Pereira Sensor Óptico, doutoranda pela UFES.

Os projetos

O projeto “Sensor Óptico aplicado à Bioengenharia de Órgãos”, da pesquisadora e empreendedora Rayssa Arruda, objetiva a criação de um equipamento que possibilitará avaliar o estado de descelularização de órgãos para habilitá-los para testes de recelularização, fornecendo o comportamento óptico dos processos de descelularização.

Os órgãos e tecidos descelularizados são a promessa da medicina regenerativa e da bioengenharia para solucionar a escassez de órgãos para transplantes e as complicações por rejeição pós-transplante. Devido ao desafio de avaliação do órgão descelularizado, desenvolveu-se o sensor em questão.

Já a Smile Alge, ou “Fármacos com bioativos de alga da costa do Espirito Santo”, projeto da pesquisadora e empreendedora Denise Endringer, desenvolve um substituinte natural a produtos já existentes no mercado. Com base em algas marinhas, sua eficiência é comprovada em relação às novas exigências do consumidor moderno. 

 

Rayssa Helena Arruda à esquerda e Denise Endringer à direita.

 

Premiação

Dentre 37 startups participantes de todo o mundo, Denise, professora da Universidade de Vila Velha (UVV), foi a primeira colocada da competição, ao lado da também capixaba e sináptica Rayssa Helena Arruda Pereira, doutoranda da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), que conquistou o 4º lugar do evento.

Os projetos foram apresentados a uma banca de jurados composta por especialistas na área de inovação e investidores. Entre os especialistas convidados estava o diretor técnico-científico e de inovação da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), Rodrigo Ribeiro Rodrigues, convidado pela Swissnex Brasil e pela organização do AIT Swiss Camp para compor a banca avaliadora. O primeiro lugar foi premiado com R$ 10 mil.

Outras oportunidades geradas pelo Sinapse da Inovação

O programa Sinapse da Inovação busca agregar valor aos empreendedores participantes não somente por meio da divulgação dos seus respectivos projetos no site oficial (http://es.sinapsedainovacao.com.br),  das capacitações online e presenciais e da subvenção econômica concedida pela Fapes, mas também pelas diversas outras oportunidades geradas, como a conexão entre os projetos sinápticos, os parceiros e os demais atores do ecossistema de inovação.

Até este momento, já foram realizadas apresentações de projetos sinápticos a grandes empresas nacionais e internacionais, como a Vale, Fibria, EDP, Samarco e WEG, durante o demoday do CDMEC, com cobertura de mídia local a cinco grandes fundos de investimento no Bandes e a programas internacionais de empreendedorismo e inovação, como é o caso da Swissnex, da Suiça, e da H-Farm, da Itália. Novas oportunidades continuarão surgindo ao longo do ano de 2018 aos participantes do programa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *