No dia 09 de dezembro, em Maceió, foram anunciados os melhores trabalhos do 11º Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação (CONNEPI), organizado pelo Instituto Federal de Alagoas (IFAL). As premiações aconteceram para os três primeiros lugares nas modalidades banner e apresentação oral, distribuídos em diversas áreas; seguida do 3º Desafio de Ideias, que premiou o melhor trabalho da modalidade, e finalizado com o anúncio dos três melhores trabalhos da Mostra Tecnológica.

E teve projeto do Sinapse da Inovação Amazonas entre os destaques! O projeto “Processo de preparação e conservação do tucupi para o consumo humano”, ficou entre os três primeiros colocados da Mostra, representando o estado do Amazonas e o Instituto Federal do Amazonas (IFAM). A inovação foi uma das contempladas da operação piloto do Sinapse no estado amazonense, dando origem à startup Coaraci. Durante o evento o projeto foi apresentado conforme resumo:

A inovação refere-se ao processo de preparação e conservação do tucupi para o consumo humano. O Tucupi é um produto e/ou subproduto obtido da raiz da mandioca brava (Manihot esculenta Cratz,1766) e suas variedades. Atualmente o Tucupi é produzido de forma empírica, extraído em processo de prensagem inadequado em prensas projetadas visando apenas o máximo aproveitamento da torta (sólido) da mandioca ou em artefatos de tramas vegetais indígenas, como o tipiti. Compõe hábito alimentar de povos da região amazônica é comumente comercializado de maneira informal em feiras e mercados municipais, em recipientes de politereftalato de etileno (PET), geralmente reutilizados de outras bebidas como: refrigerantes, água mineral e sucos. A proposta de inovação deste projeto consiste no preparo do tucupi a partir do uso de máquina prensa adequada à mandioca e aplicação de processo específico de ultracongelamento, tendo como produtos finais o Tucupi Temperado In Natura e o Tucupi Temperado Congelado. Agregando vantagens técnicas e econômicas ao produto. Proporciona-se por esta inovação o aumento no rendimento de prensagem, de potencial econômico de produto, tempo de prateleira, qualidade, sanidade, expansão comercial, além de reduzir agentes de impacto ambiental. A condição proposta é inédita ao produto, atendendo as legislações aplicáveis a alimentos viabilizando a exportação deste alimento, maior aproveitamento da mandioca e enriquecimento de sua cadeia produtiva de forma sustentável.

A sócia da Coaraci, Suane de Andrade Viana, destacou a importância do Sinapse da Inovação para a premiação da startup: “É com orgulho e satisfação que registramos a contribuição da FAPEAM, via SINAPSE DA INOVAÇÃO, para esta conquista. Acreditamos que é por meio de iniciativas como a do SINAPSE que ações de melhorias e concretude podem contribuir para o desenvolvimento, geração de emprego e renda ao nosso Estado”.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *